segunda-feira, agosto 25, 2008

57 - Terror


Depois da guerra, ele decidiu não viver mais entre os homens. Fugiu de todos e foi morar nas cavernas distantes apenas com as terríveis lembranças de tudo que passou. Esteve à beira da morte antes de aprender o que poderia comer. Frutas, raízes, cascas de árvores e até insetos faziam parte da sua dieta, o que muitas vezes lhe causou alucinações que traziam de volta tudo o que queria esquecer. Porém, de todos os sofrimentos que a vida lhe reservara, aquela era a visão mais horrenda que jamais imaginara.

4 comentários:

Pablo disse...

Viver é a guerra mais terrível... Ombro a ombro com a calamidade marchamos para um breu futuro. Nascemos sem pedir e logo ao nascer somos jogados nesta esteira rolante que "não para, não para, não para não", não te espera levantar do último tombo... Levante-se! Marche!

That's all folk!

Abração.

Flávio disse...

É... a julgar pela cara, tá com uma fome da zorra, msmo! :) Beijão procê e Fabi.

Pablo disse...

Cadê?

Roberta da Purificação disse...

Paulinho
estou voltando, desta vez nao perco o link porque vou colocar em meu blog. lerei sempre!
já viu o curioso caso de benjamin button em quadrinhos?
bjs
Roberta